Agricultura regenerativa

A agricultura regenerativa é uma prática para produtores rurais que traz muitos benefícios ao nosso planeta

Antes de aprofundarmos o termo agricultura regenerativa, é importante ressaltar que o setor agrícola é um dos maiores emissores de CO2. o gás do efeito estufa, responsável pelas mudanças que estamos vendo em nosso clima atualmente. 

Para combater as mudanças climáticas que estão acontecendo em nosso planeta surgem várias ações, a nível global, para reduzir a emissão de carbono. 

Uma dessas ações é a agricultura regenerativa. 

O que é a agricultura regenerativa?

O termo regenerativo significa: ‘renovação, restauração e crescimento de células, organismos e ecossistemas’ ou ‘renovação ou restauração de um corpo, corporalmente, ou sistema biológico (como em uma floresta) após lesão ou como um processo normal. 

Então a agricultura regenerativa é a agricultura que está fazendo exatamente isso, renovando-se.

Tendo em vista que a agricultura é responsável por pelo menos 25% de todas as emissões de gases de efeito estufa, percebe-se a importância de atentar para a agricultura regenerativa.

Isso porque a agricultura regenerativa  é uma prática agrícola que ajuda a combater a crise climática retirando o carbono da atmosfera, isolando-o no solo. 

Para que seja possível aplicá-la é necessário usar de boas práticas agrícolas que visam reabilitar e melhorar todo o ecossistema das plantações, valorizando a saúde do solo e gestão da água. 

Segundo o Instituto Rodale, organização sem fins lucrativos americana, a agricultura regenerativa é um método de cultivo que “melhora os recursos que usa, em vez de destruí-los ou esgotá-los”. 


Técnicas de agricultura regenerativa

Lavoura de conservação

As lavouras comuns e rodem drasticamente o solo e liberam grandes quantidades de dióxido de carbono na atmosfera. Eles também podem resultar no tipo de solo nu ou compactado que cria um ambiente hostil para importantes micróbios do solo. 

Ao adotar práticas de plantio direto ou baixo, os agricultores minimizam a perturbação física do solo e, com o tempo, aumentam os níveis de matéria orgânica do solo, criando ambientes mais saudáveis ​​e resistentes para as plantas prosperarem, além de manter mais e mais carbono no solo.

Diversidade 

Diferentes plantas liberam diferentes carboidratos (açúcares) por meio de suas raízes, e vários micróbios se alimentam desses carboidratos e devolvem todos os tipos de nutrientes de volta à planta e ao solo. 

Ao aumentar a diversidade de plantas em seus campos, os agricultores ajudam a criar solos ricos, variados e ricos em nutrientes que levam a rendimentos mais produtivos.

Rotação e culturas de cobertura

Deixados expostos aos elementos, o solo sofrerá erosão e os nutrientes necessários para o crescimento bem-sucedido da planta irão secar ou literalmente desaparecer.

Ao mesmo tempo, plantar as mesmas plantas no mesmo local pode levar ao acúmulo de alguns nutrientes e à falta de outros. 

Mas, ao girar as safras e distribuir as safras de cobertura estrategicamente, as fazendas e jardins podem infundir nos solos mais e mais (e mais diversa) matéria orgânica do solo, muitas vezes evitando doenças e problemas de pragas naturalmente. Lembre-se sempre, solo vazio é solo ruim.

Menos fertilizantes

Além de minimizar os distúrbios físicos, os praticantes da agricultura regenerativa também procuram ser cautelosos com relação às atividades químicas ou biológicas que também podem prejudicar a saúde do solo a longo prazo. 

A aplicação incorreta de fertilizantes e outros corretivos do solo pode interromper a relação natural entre os microrganismos e as raízes das plantas.

Benefícios da Agricultura regenerativa

  • Benefícios aos agricultores
  • Resolver a crise climática reduzindo CO2
  • Futuro seguro e sustentável
  • Alimentos mais frescos e saudáveis
  • Aumento da biodiversidade do solo 
  • Diminui a erosão e o escoamento melhorando a qualidade da água 

Crise climática

A saúde e a vitalidade do solo em todos os lugares, desde a menor horta de quintal até a maior fazenda no interior, desempenham um papel fundamental na produção de alimentos. – e estão ameaçados pela crise climática.

A crise climática vem causando o aumento das temperaturas e por consequência muda o cenário de onde e quando os alimentos podem ser cultivados. Todo o ciclo da água é afetado, no mundo inteiro. 

Por exemplo, em alguns lugares as chuvas tornaram-se frequentes e fortes e em outros lugares escassas. 

Mitigar efeitos da crise climática

Então, em meio a crise climática, o agricultor que está usando métodos regenerativos e não perturbando o solo, ele ou ela está mitigando os efeitos da mudança climática através da construção de matéria orgânica.

E quanto mais matéria orgânica houver no solo, maior será a capacidade de retenção de água.

Para os agricultores, a agricultura regenerativa é, portanto, uma situação em que todos ganham .

É uma abordagem que leva a safras melhores e mais resistentes, cultivadas com métodos sustentáveis ​​que, ao mesmo tempo, lutam contra uma crise que representa uma ameaça para toda a agricultura.

Artigos relacionados

No Comments

Leave a Comment